Procedimentos Gerais e Normas de Funcionamento - Rev. 01

O Lar da Criança de Portimão definiu, no passado dia 14 de maio, com base nas Orientações das entidades oficiais, nomeadamente, as Orientações da Direção Geral de Saúde, um conjunto de medidas e procedimentos que começaram a ser cumpridos aquando da reabertura da Creche, no passado dia 18 de maio, com vista à minimização dos riscos associados à transmissão do COVID – 19.  



As medidas publicadas foram adaptadas à realidade do Lar da Criança considerando, quer as especificidades da nossa instituição e de cada resposta social, quer a forma de ajustarmos as nossas práticas tendo em vista o cumprimento integral das Orientações e Guiões Técnicos. 

Tendo em conta a abertura do Pré-escolar e do CATL, no próximo dia 1 de junho, foram publicadas novas orientações através de guiões técnicos, que na generalidade não diferem em grande monta daquelas já publicadas no nosso site, aquando da reabertura da Creche, não dispensando assim a sua leitura e apropriação, independentemente da valência frequentada pelos vossos educandos. No entanto, foram divulgadas algumas medidas que pretendem, do ponto de vista pedagógico e organizacional, apoiar as instituições, os profissionais e as famílias, bem como prever a proteção de todos. Toda a comunidade educativa, desde colaboradores a pais, terá um papel fundamental no sentido de garantir as condições necessárias para que as crianças possam frequentar cada uma das respostas sociais com o máximo de segurança. Importando nunca perder de vista a importância das aprendizagens e do desenvolvimento das crianças e a garantia do seu direito de brincar.

Existe assim nestas novas Orientações, algumas medidas que de acordo com a idade e o nível de desenvolvimento das crianças merecem ser consideradas, complementando ou ajudando a clarificar as já existentes.

Após análise do guião agora publicado, foram alterados ou clarificados os seguintes pontos dos nossos procedimentos e normas: 15, 19, 31, 40, 48, 55, 78, 82 e 93. 

Nesta fase única e complexa é   fundamental que todos partilhemos um rigor e um esforço conjunto no sentido da apropriação e cumprimento deste conjunto de mediadas essenciais, com o objetivo de darmos passos em frente de modo sustentado e consistente. 


Obrigado



PROCEDIMENTOS GERAIS – REV_01
 
Normas Implementadas e a cumprir pela Instituição e respetivos Colaboradores:

  1. Todos os profissionais do Lar da Criança de Portimão devem cumprir e zelar para que as normas de higiene e saúde em vigor sejam por todos cumpridas (utentes e colegas), devendo todos fazer o seu papel de agentes de Saúde Publica;
  2. Não é permitida a entrada no recinto da Instituição de colaboradores que apresentem sintomas de doença, como febre, dificuldade respiratória, tosse, dores no corpo etc.
  3. A entrada dos colaboradores a partir da reabertura da Instituição, e até indicação em contrário, será feita pelo Portão do Economato, estando isentos de marcar o ponto durante este período
  4. À chegada à instituição é medida a temperatura a cada colaborador e se apresentar febre não poderá entrar ao serviço na instituição;
  5. Todos os Colaboradores da Instituição têm que usar mascara a partir do momento em que entrem na Instituição e durante todo o período em que permaneçam no seu interior (no caso de assim o entenderem, em determinadas situações pode ser reforçado com o uso de viseira)
  6. Os colaboradores deverão ter calçado para uso exclusivo na instituição e as colaboradoras que trabalham diretamente com crianças têm que usar bata lavada diariamente, assim como ter na instituição uma muda de roupa lavada;
  7. Devem cumprir as normas de afastamento físico relativamente a qualquer pessoa com quem tenham que comunicar (2 metros), devendo sempre evitar contactos interpessoais de proximidade, exceto com as crianças em que tal situação é impossível
  8. As pausas dos colaboradores devem ser individualizadas e não em grupos;
  9. Devem ser privilegiados os canais de comunicação internos existentes por forma a manter o distanciamento e evitar aglomerados e concentrações de pessoas (telefone, e-mail etc.) quer na comunicação entre colaboradores, quer na comunicação de colaboradores para pais, fornecedores e todos os outros em que tal seja necessário;
  10. Na comunicação com os pais devem ser criados circuitos de comunicação com estes, assegurando que a passagem da informação relativa à criança é devidamente efetuada (privilegiar, sempre que possível, canais digitais).
  11. A entrada de alguma pessoa em locais fechados, sejam gabinetes, Salas de Atividades e outras só pode ser feito por uma única pessoa, apenas quando for estritamente necessário e com autorização do responsável pelo espaço, respeitando sempre as medidas de segurança.
  12. No caso de o atendimento ser estritamente necessário, realizar preferencialmente esse atendimento de pé, salvaguardando o distanciamento;
  13. Deve garantir-se que as pessoas externas (ex. fornecedores) só entram no estabelecimento, excecionalmente, com hora marcada e de forma segura devendo entrar pelas portas de serviço, devidamente higienizados, com proteção do calçado e máscara (não se podem cruzar com as crianças).
  14. Sempre que seja facultada caneta a cliente, colaborador ou outros, deve ser realizada limpeza desta, de forma que seja visível ao cliente;
  15. Devem lavar frequentemente as mãos (nomeadamente sempre que se assoar, espirrar, tossir) e cumprir as regras de etiqueta respiratória; a DGS informa que lavar as mãos com água e sabão é suficiente, desde que realizado durante mais de 20 segundos, esfregando toda a superfície da mão. Pode também ser utilizada uma solução alcoólica a 70%. Todos os colaboradores devem sempre lavar/desinfetar as mãos aquando da entrada na instituição, antes e após as refeições, antes e após a ida ao WC e sempre que regressem do exterior.
  16. Os Profissionais da Creche ao lavar, segurar ou alimentar as crianças muito pequenas devem: evitar tocar na face, olhos ou boca da criança sem ter as mãos higienizadas; Limpar o nariz da criança com lenço descartável que é colocado em recipiente próprio; Lavar as mãos, o pescoço e qualquer local tocado pelas secreções de uma criança; Trocar de roupa, sempre que necessário, perante a existência de secreções, procedimento que deve ser acompanhado de posterior lavagem das mãos, devendo este procedimento estender-se às crianças. 
  17. Todos os espaços não utilizados na Instituição estarão encerrados;

 

  1. Devem ser retirados das zonas comuns objetos que possam ser manuseados por muitas pessoas

 

  1. Efetuar renovação do ar das salas e outros espaços com frequência através da abertura de portas e janelas, sem que tal comprometa a segurança das crianças, devendo ainda assegurar-se, quando possível, o arejamento noturno das instalações;

 

  1. Os sistemas de Ar Condicionado não devem ser usados em modo de recirculação do ar e deve ser mantida uma adequada e frequente manutenção dos filtros. No caso dos multi splits em caso algum podem ser ligados, pois estes só funcionam através de circulação de ar forçado

 

  1. Em todos os locais em que tal seja possível serão deixadas as portas abertas para evitar o manuseamento constante de maçanetas;

 

  1. Serão disponibilizados na entrada da Instituição, na Zona da Secretaria, em cada sala de Crianças e noutros espaços utilizados, desinfetantes doseadores de base alcoólica;

 

  1. Não existirão nas salas tapeçarias, rolos e almofadas

 

  1. Deve ser evitado o uso de joias (anéis, pulseiras) no local de trabalho)

 

  1. Os lençóis e resguardos dos berços e dos catres destinados ao repouso das crianças são higienizados todos os dias devendo a sua recolha ser feita sem agitar ou sacudir enrolando-a no sentido de dentro para fora, sem encostar ao corpo e transportando-os num saco diretamente para a máquina de lavar

 

  1. As roupas devem ser lavadas, sempre que possível, a uma temperatura de 60º;

 

  1. Devem ser evitados congestionamentos nos corredores aquando do transporte dos carros de alimentação;

 

  1. Cada colaborador que trabalhe em gabinete ou áreas de serviços administrativos deverá ser responsável pela higienização das superfícies (mesas cadeiras, computador etc.) utilizando borrifador com produtos desinfetante adequado, com frequência e, principalmente, quando essas superfícies são contactadas por outras pessoas;

 

  1. As pausas da equipa para almoço deverão ocorrer de modo a garantir o afastamento físico entre os profissionais

 

  1. Os funcionários não devem fazer as refeições conjuntamente com funcionários de outras respostas sociais (ou em locais distintos ou em horários desfasados e sempre após a higienização adequada do local)

 

  1. Os equipamentos e utensílios da criança assim como a roupa suja a devolver aos pais devem ser colocados em saco de plástico fechado

 

  1. Na creche devem ser assegurados especiais cuidados na troca das fraldas, com higienização das mãos dos profissionais e da criança, bem como da bancada de muda fraldas antes e depois de cada utilização

 

  1. Os profissionais das diferentes respostas sociais não devem partilhar as instalações sanitárias

 

  1. Nesta fase estão cancelados quaisquer tipos de espetáculos ou atuações, as festas internas, as reuniões de pais presenciais, as idas à praia, e quaisquer tipos de atividades extracurriculares;

 

  1. Nas Salas das crianças, o número de brinquedos será reduzido, sendo mantidos só os brinquedos de fácil higienização;

 

  1. Após receção, no economato, de produtos para consumo provenientes do exterior devem, quer embalagens, quer produtos, ser devidamente higienizados

 

  1. Existência de Plano de Contingência com definição clara da zona de isolamento de casos suspeitos de COVID–19, com circuitos definidos e isoláveis e procedimentos a adotar; 

 

  1. Todos os encarregados de educação serão informados em caso de existência de um caso suspeito na instituição.

 

  1. As Autoridades de Saúde locais serão imediatamente informadas do caso suspeito e dos contactos próximos, de forma a facilitar a aplicação de medidas de Saúde Pública aos contactos de alto risco

 
 
Medidas a promover e a realizar com as crianças:

  1. Devem as Educadoras de Infância e as Ajudantes de Ação Educativa promover nas crianças a higienização das mãos com frequência, nomeadamente, aquando da entrada no estabelecimento de educação, antes e após as refeições, antes e após a ida à casa de banho, e sempre que regressem do espaço exterior;

 

  1. Devem ser disponibilizados recipientes individuais de água para todas as crianças, devidamente identificados;

 

  1. Promover o distanciamento entre crianças (nas atividades em sala, nos momentos de repouso, nas zonas de refeição e nos recreios), procurando fazê-lo através de estratégias lúdico-pedagógicas;

 

  1. A deslocação para a sala de refeições, caso aplicável, deve ser desfasada para diminuir o cruzamento de crianças, ou em alternativa considerar fazer as refeições na sala de atividades;

 

  1. Alargar os períodos das refeições para evitar maior concentração de crianças e colaboradores;

 

  1. Antes do consumo das refeições, as crianças devem ser levadas a lavar as mãos e ajudadas para a sua realização de forma correta

 

  1. Os lugares devem estar marcados, de forma a assegurar o máximo de distanciamento físico possível (1,5 a 2 m) entre crianças e entre estas e adultos no caso de estes também tomarem a sua refeição conjuntamente com as crianças;

 

  1. Nas valências em que seja possível, podem as refeições das crianças, ser fornecidas em espaço exterior;

 

  1. As idas das crianças à casa de banho devem ser em número reduzido, tentando que se desloquem no máximo, de 2 crianças de cada vez na creche, e no pré-escolar e CATL o WC deve ser utilizado por grupos reduzidos para evitar concentrações;

 

  1. As espreguiçadeiras não podem ser partilhados, assim como, os Berços, camas e catres utilizados devem ser utilizados sempre pela mesma criança e colocados a uma distância de 2 metros entre si (mantendo as posições dos pés e das cabeças das crianças alternadas)

 

  1. As mesas de trabalho devem estar orientadas no mesmo sentido (por exemplo: voltadas para a frente e não em “U” ou de disposição circular)

 

  1. Os brinquedos e material didático não devem ser partilhados e se tal acontecer devem ser regularmente higienizados.

 

  1. Deverá ser privilegiada, ao longo do dia, a utilização de espaços exteriores, sem partilha desses espaços com outros grupos de crianças; 

 

  1. Existirão grupos fixos de crianças, ocupando diariamente o mesmo espaço, com mesmos educadores e com a organização de horários e circuitos de forma a evitar o cruzamento entre pessoas

 

  1. Estarão definidos previamente os colaboradores que interagem em cada uma das salas

 

  1. Os projetos pedagógicos da instituição serão adaptados em função do contexto atual, implicando uma flexibilização e adequação na organização das diferentes rotinas, dos espaços, dos materiais e das atividades, permitindo que as crianças compreendam a importância das novas formas de convivência social entre pares e adultos. No caso concreto do pré-escolar deve ser tido em consideração o estabelecido no guião de Orientações para a reabertura da Educação pré-escolar, no capítulo respeitante às Práticas Pedagógicas;

 

  1. Será medida a temperatura das crianças em diferentes momentos ao longo do dia;

 

  1.  Nas crianças, o uso da mascara é obrigatório a partir dos 10 anos;

 
Medidas a cumprir pelos Serviços de Limpeza

  1. Cumprir escrupulosamente o Plano de limpeza, realizando as tarefas de acordo com o horário e o número de vezes definido, devendo a higienização ser efetuada de modo bastante frequente, fazendo folha de registo de hora e local em que foi higienizado e que tem que ser assinado pelo responsável do setor.

 

  1. Realizar Lavagem de esfregonas e mopas com maior regularidade para evitar contaminação cruzada;

 

  1. Trocar água da esfregona com regularidade

 

  1. Utilização de pulverizador nas áreas de maior dimensão (hall, refeitório, corredores) de acordo com o definido no plano e entre utilizações

 

  1. Nos locais utilizados para o repouso das crianças a limpeza deve ser reforçada antes e após a sesta

 

  1. A limpeza deve ser húmida não podendo ser feita com a utilização de aspiradores a seco;

 

  1. Uso de maior stock de panos de limpeza por cores e proceder à limpeza dos mesmos com regularidade;

 

  1. Iniciar sempre a limpeza dos espaços no sentido de cima para baixo e das áreas mais limpas, para as mais sujas, sendo o pavimento o ultimo a ser higienizado.

 

  1. Nos refeitórios e outros locais de refeições realizar a adequada descontaminação das superfícies utilizadas entre trocas de turno (mesas, cadeiras de papa, entre outras)

 

  1. Nas instalações sanitárias a limpeza e desinfeção das sanitas, interruptores e torneiras deve ser feita frequentemente;

 

  1. Limpar e desinfetar todas as superfícies de utilização comum com frequência (balcões, interruptores, maçanetas, puxadores, etc.) pulverizando as superfícies com solução desinfetante adequada;

 

  1. Proceder à recolha dos lixos de forma frequente

 

  1. Todas as fichas técnicas e fichas de segurança dos produtos utilizados devem estar atualizadas;

 

  1. Efetuar o preenchimento dos registos de limpeza das diversas áreas

 
 
 Medidas a cumprir pelos encarregados de educação

  1. Todos os Encarregados de Educação, devem cumprir e zelar para que as normas de higiene e saúde em vigor sejam por todos cumpridas devendo cumprir o seu papel de agentes de Saúde Publica;

 

  1. Cada criança só pode ser acompanhada por um adulto aquando da entrada no recinto da Instituição;

 

  1. Não é permitida a entrada no recinto da Instituição de Encarregados de Educação e de crianças que apresentem sintomas de doença, como febre, dificuldade respiratória, tosse, dores no corpo etc., não havendo possibilidade de Solicitação de dietas pontuais, visto estas subentenderem um mal-estar associado a problemas gastrointestinais, devendo os pais ser conscienciosos para esta situação;

 

  1. É obrigatório que os pais informem o Lar da Criança, sempre que a criança ou alguém com quem a mesma tenha estado em contacto recente apresente sintomas sugestivos de COVID – 19;

 

  1. À chegada à instituição é medida a temperatura a cada criança e se apresentar febre não poderá iniciar a frequência na instituição;

 

  1. Todos os Encarregados de Educação têm que usar mascara a partir do momento em que entrem no recinto exterior da Instituição e durante todo o período em que lá permaneçam, devendo efetuar a desinfeção das mãos à entrada

 

  1. No Edifício-sede, situado em Portimão, a entrada das crianças da Creche e o do Pré-escolar far-se-á pelo portão principal (as crianças das salas Amarela, Branca, Vermelha e Verde-clara utilizarão para acesso às respetivas salas a rampa de acesso junto à Polivalente e as crianças das salas Azul-clara e Lilás utilizarão a rampa de acesso situada junto ao Bar Social) e a entrada das crianças de CATL será feita pelo portão situado junto ao Pingo Doce.

 
No Edifício situado na Urb. da Ouriva – Ladeira do Vau a entrada das crianças da Creche será realizada pela porta principal e a entrada das crianças de Pré-escolar pelo portão lateral, situado junto ao Parque infantil da Urbanização. Em todas as situações deve ser seguido o percurso identificado e as marcações de distanciamento de segurança deve ser respeitado por todos;
 

  1. A entrega e a receção das crianças deve ser feita de modo individual, sendo que os pais ficam à porta do edifício frequentado pelos seus filhos, sendo as crianças levadas para as respetivas salas por uma colaboradora da Instituição

 

  1. Até indicação em contrário, não será necessário o preenchimento do Registo diário de entrega e recolha da criança na Instituição;

 

  1. Toda a roupa ou outros produtos necessários (fraldas, toalhitas e pomadas) devem ser trazidos pelos pais em saco de plástico, devidamente fechado e não em mochilas ou sacos de tecido, devidamente identificado com o nome da criança

 

  1. Os pais têm que disponibilizar, para além, dos sapatos que as crianças tragam calçados, outro calçado para uso exclusivo na instituição, que ficarão na Instituição e que têm que ser facilmente laváveis (recomendam-se Crocs), devendo ser higienizados todos os dias após a saída da criança.  

 

  1. As crianças devem ter sempre duas mudas de roupa lavadas na Instituição

 

  1. O calçado tem que ser mudado à entrada do edifício frequentado pela criança;

 

  1. O calçado trazido da rua será levado pelos pais;

 

  1. Todos os dias a criança só poderá usar na Instituição roupa lavada (bata, t-shirt da instituição quando já usar e restante roupa no caso do berçário e das crianças de creche salas dos 1/2 anos);  

 

  1. Não é permitido que as crianças tragam brinquedos pessoais para a instituição;

 

  1. Devem cumprir as normas de afastamento físico relativamente a qualquer pessoa com quem tenham que comunicar (2 metros), devendo sempre evitar contactos interpessoais de proximidade

 

  1. Devem ser privilegiados outros canais de comunicação, que não os presenciais, por forma a manter o distanciamento e evitar aglomerados e concentrações de pessoas (a comunicação deve ser feita por telefone, e-mail etc);

 

  1. A entrada de algum Encarregado de Educação em locais fechados, sejam gabinetes, Salas de Atividades e outras só pode ser feito por uma única pessoa, apenas e quando for estritamente necessário, com hora marcada e com autorização do responsável pelo espaço, respeitando sempre as medidas de segurança

 

  1. Promover o distanciamento entre crianças (enquanto aguardam no recinto exterior por uma colaboradora para levá-los à sala correspondente)
 
  1. O atendimento presencial na Secretaria, sempre que estritamente necessário, só é feito mediante marcação prévia;

 

  1. A criança não deve permanecer na instituição por período superior ao estritamente necessário, deverão os pais, informar acerca da hora de entrega das crianças de manhã e de recolha à tarde a qual será escalada de forma a evitar horas de ponta na entrada do edifício e tempo de espera prolongado, dado que só se pode receber e entregar uma criança de cada vez.



Com os mais respeitosos cumprimentos,

Portimão, 28 de maio de 2020

O Lar da Criança de Portimão

Lar da Criança de Portimão

Estamos em várias redes sociais
e poderá procurar-nos através das
seguintes ligações.

Horário

  • Seg-Sex07:45-19:30
  • SábadoFechado
  • DomingoFechado
  • FeriadosFechado

Entre em Contacto

Entre em contacto connosco,
teremos prazer em recebê-lo.

  • Av. Miguel Bombarda (junto à PSP)
    8500-299 Portimão
  • Sede: 37.134214,-8.538142
  • Ouriva: 37.1671373,-8.5363377
  • [+351] 282 410 540
  • geral@lardacrianca.com
© 2020 Lar da Criança de Portimão. Todos os direitos reservados